sábado, 17 de dezembro de 2011

Precisamos ocupar os espaços

Ontem, 16/12/2011, fui a um determinado shopping para almoçar. Tinha vindo de uma orientação da especialização que faço, e como já ia dar meio-dia, antes de ir à biblioteca da Faculdade de História fazer uma pesquisa, achei melhor me alimentar primeiro.

Após dar uma olhadinha nos bifês dos restaurantes, decidi por um que vende comida orgânica. Me servi e ao pesar a comida, a funcionária me disse que a bebida seria oferecida à mesa. Fui me sentar para fazer minha refeição tranquilamente. Não líquido durante o almoço, só uma hora depois, mas fiquei esperando alguém vir me oferecer a bebida, mas nada aconteceu.
Entaõ comecei a observar que a única cliente negra era eu. Os garçons não se aproximaram de mim em nenhum momento, o que não aconteceu com uma jovem que sentou numa mesa ao lado da minha. Eles ficaram me olhando de longe.

Dai relaxei e passei a olhar o ambiente com calma...

Todos o clientes eram brancos e aparentavam ser da classe média.
Havia um rapaz que parecia ser o chef ou o dono do restaurante, ele me deu "duas olhadas", não de paquera e nem de boas vindas, senti um olhar de incômodo. Então, óbvio que peguei o celular e liguei para uma amiga pra falar bobagens. Queria prolongar mais ainda minha presença naquele lugar. Rsrsrs
Até alguns clientes me olhavam meio que achando "não sei o quê".
Eu fazia questão de olhar para os garçons, mas eles continuaram a me ignorar.
Só quando eu terminei a refeição, uma garçonete se dirigriu à mim, meio sem graça, pois precisava tirar o prato da mesa,  então me ofereceu uma sobremesa ou um cafezinho. Eu educadamente recusei, pois tinha que ir embora.

Mas pra quem me conhece, sabe que eu não deixaria isso passar "em branco", tinha que enegrecer aquele situação.


Quando fui fazer o pagamento, chamei a atenção da caixa(uma jovem negra) sobre a minha impressão acerca do tratamento que "não" recebi. Pela reação dela, percebi que concordava comigo, principamente quando disse que eles não estavam acostumados a receberem clientes negros e, principalmente, mulheres negras. Então disse que nós negros e negras, também frequentamos sim esses espaços.

A quem eu deveria culpar por tudo isso? Os donos do restaurante e seus colaboradores? A clientela branca? Os negros e negras que não frequentam esses espaços, por acharem que "ali não é meu lugar"?

O sistema racista é perverso e sutilmente nos "guetisa". O apartheid é invisível.


Precisamos ocupar todos os espaços. Seja na política, nos cargos de liderança e nos restaurantes que vendem comidas orgônicas.


Afroabraços




 


 


















Nenhum comentário:

Postar um comentário