sábado, 17 de dezembro de 2011

A INVISIBILIDADE DE POLÍTICOS NEGROS NOS PROGRAMAS DOS PARTIDOS NA TV

Eu sei que existem muitos negros na política.
Mas observo que nas propagandas politicas que passam na televisão tanto em rede nacional quanto local, existe a invisibilidade do negro enquanto liderança politica.
Eles colocam os negros como apresentadores, atores, mas como liderança, nunca!

E as mulheres negras enquanto liderança politica? Alguém pode me dizer quando foi que elas apareceram?

Na exibição desses programas, seja em partido de direita, esquerda, etc, isso é visível: a liderança negra é invisível.

Afroabraços.

Precisamos ocupar os espaços

Ontem, 16/12/2011, fui a um determinado shopping para almoçar. Tinha vindo de uma orientação da especialização que faço, e como já ia dar meio-dia, antes de ir à biblioteca da Faculdade de História fazer uma pesquisa, achei melhor me alimentar primeiro.

Após dar uma olhadinha nos bifês dos restaurantes, decidi por um que vende comida orgânica. Me servi e ao pesar a comida, a funcionária me disse que a bebida seria oferecida à mesa. Fui me sentar para fazer minha refeição tranquilamente. Não líquido durante o almoço, só uma hora depois, mas fiquei esperando alguém vir me oferecer a bebida, mas nada aconteceu.
Entaõ comecei a observar que a única cliente negra era eu. Os garçons não se aproximaram de mim em nenhum momento, o que não aconteceu com uma jovem que sentou numa mesa ao lado da minha. Eles ficaram me olhando de longe.

Dai relaxei e passei a olhar o ambiente com calma...

Todos o clientes eram brancos e aparentavam ser da classe média.
Havia um rapaz que parecia ser o chef ou o dono do restaurante, ele me deu "duas olhadas", não de paquera e nem de boas vindas, senti um olhar de incômodo. Então, óbvio que peguei o celular e liguei para uma amiga pra falar bobagens. Queria prolongar mais ainda minha presença naquele lugar. Rsrsrs
Até alguns clientes me olhavam meio que achando "não sei o quê".
Eu fazia questão de olhar para os garçons, mas eles continuaram a me ignorar.
Só quando eu terminei a refeição, uma garçonete se dirigriu à mim, meio sem graça, pois precisava tirar o prato da mesa,  então me ofereceu uma sobremesa ou um cafezinho. Eu educadamente recusei, pois tinha que ir embora.

Mas pra quem me conhece, sabe que eu não deixaria isso passar "em branco", tinha que enegrecer aquele situação.


Quando fui fazer o pagamento, chamei a atenção da caixa(uma jovem negra) sobre a minha impressão acerca do tratamento que "não" recebi. Pela reação dela, percebi que concordava comigo, principamente quando disse que eles não estavam acostumados a receberem clientes negros e, principalmente, mulheres negras. Então disse que nós negros e negras, também frequentamos sim esses espaços.

A quem eu deveria culpar por tudo isso? Os donos do restaurante e seus colaboradores? A clientela branca? Os negros e negras que não frequentam esses espaços, por acharem que "ali não é meu lugar"?

O sistema racista é perverso e sutilmente nos "guetisa". O apartheid é invisível.


Precisamos ocupar todos os espaços. Seja na política, nos cargos de liderança e nos restaurantes que vendem comidas orgônicas.


Afroabraços




 


 


















domingo, 11 de dezembro de 2011

UMA HOMENAGEM ÀS PRINCESAS E RAINHAS DE SABÁ(ETIÓPIA)

video

Eu amo meu cabelo!

video

Os negros batistas em movimento






Olá!

Olá!
Me chamo Gicélia, sou mulher, negra, batista, teóloga e historiadora.
Faço parte do Movimento Negro Baiano e  do Fórum Nacional de Mulheres Negras.
Pesquiso sobre a religiosidade do negro diaspórico, em especial no Brasil.

O que me levou a criar esse blog,  foi o fato de saber que, assim como eu,  existe um número considerável de negros que se dizem cristãos evangélicos.
Não gosto muito do termo "evangélico". Gosto de dizer que sou batista, e da linha histórica. Afinal, sou formada pelo Seminário Teológico Batista do Nordeste/Salvador.
Gosto de ser batista. É uma questão de identidade.
Durante uns 13 anos me dediquei ao evangelismo, viagens missionárias e pregações. Depois Deus mudou a direção do vento e ultimamente tenho me dedicado mais a minha veia de historiadora.

Quero  compartilhar minhas experiências de crente batista há 21 anos, e ao mesmo tempo ser militante  do Movimento Negro.
É sempre um grande desafio!

Por isso escrevi o texto CAMINHO SEM VOLTA.

O que acho mais engraçado é que: não sou bem vista dentro da minha comunidade religiosa(afinal, Deus não liga para essas coisas de negro e branco. Isso é besteira...) e também sou olhada com desconfiança pelo pessoal do movimento negro.
Como é esse negócio hein, Deus?!
Rsrsrsrs

Para inicio de conversa e seguirmos numa linha de reflexão bem direcionada, vamos fazer a seguinte divisão: eu pesquiso e entendo que o Cristianismo é de matriz africana e o protestantismo de matriz européia.
Assim como também existe diferença entre igrejas históricas, pentencostais e neopentencostais.

Acho que essa apresentação tá boa, para inicio de conversa, né?

Afroabraço,

Gicélia Negra

CAMINHO SEM VOLTA

"E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.(Rm 12.2)

Estou num caminho sem volta.
Obrigada, Senhor Jesus, por me dar a Tua Palavra que revela o meu papel de mulher negra e serva Tua, numa sociedade racista e preconceituosa. Obrigada porque não me deixas calar diante de tanta violência, e porque não dizer abate de mulheres, na sua maioria negra, baixa escolaridade, e no mercado de trabalho informal.
Obrigada por não me deixar insensível frente ao exterminio da juventute negra.
Obrigada, Senhor, porque posso salgar e iluminar o mundo através das minhas falas.
Obrigada porque me conduzes pelas veredas da justiça, por amor do Teu Nome.
Obrigada por ter me escolhido ainda no ventre de minha minha mãe para fazer missões.
Obrigada porque através da leitura da Bíblia e das obras de Frantz Fanon, Bell Huks, Lélia Gonzalez, Luther King Jr., Kabengele Munanga, Abdias do Nascimento dentre outros, o meu caráter foi sendo formado.

Obrigada, Senhor, porque estou num caminho sem volta.
Obrigada, Senhor, porque neste caminho eu não estou só: A tua vara e o teu cajado me consolam.
Obrigada, Senhor, porque posso ouvir tua voz me dezendo: NÃO TEMAS DIANTE DELES, POIS EU ESTOU CONTIGO.

Obrigada, Senhor Jesus, porque estou no Teu caminho e nele só existe uma seta: SIGA.